Igreja da Colegiada de Santa Cruz do Castelo

 
 
 
IGREJA DA COLEGIADA DE SANTA CRUZ DO CASTELO


Igreja da Colegiada de Santa Cruz do Castelo | PT/AMLSB/ICSCC






> Código de referência PT/AMLSB/ICSCC

> Data(s) 1564-1797

> Nome(s) do(s) produtor(es)
Igreja da Colegiada de Santa Cruz do Castelo. Fl. 1168-

> História administrativa / biográfica

A igreja da Colegiada de Santa Cruz do Castelo foi construída em 1147, logo após a conquista de Lisboa aos mouros, no local onde terá existido uma mesquita, tendo sido D. Afonso Henriques a atribuir-lhe a designação de Santa Cruz. Era também conhecida por igreja de Santa Cruz da Alcáçova, devido à proximidade do castelo e da respetiva alcáçova. A partir de 1168, tornou-se igreja paroquial, pertencente ao distrito eclesiástico de Lisboa, havendo, já então, referências à freguesia de Santa Cruz do Castelo. Na época, a freguesia e a paróquia eram coincidentes e abrangiam toda a área murada do castelo e da alcáçova de Lisboa. Em 1502, D. Isabel Sousa, protetora da igreja, adquiriu casas no adro e custeou as obras no interior e exterior da igreja, tendo sido construída uma capela no seu interior onde, posteriormente, foi sepultada.

O terramoto de 1755 destruiu a igreja, no entanto, sendo sujeita a obras de reconstrução, apresentando uma única nave, com três capelas de cada lado e respetivas tribunas, reabriu novamente ao culto em 1776. A igreja esteve ligada ao culto de São Jorge, santo militar, associado à tradicional procissão do Corpo de Deus. A imagem deste santo foi, provavelmente, trazida por soldados ingleses e estava, inicialmente, na antiga igreja dos Santos Mártires, onde foi criada a Irmandade de São Jorge. Em 1241, foi transferida para a igreja de São Domingos e, em 1492, foi levada para a capela do hospital de Todos-os-Santos, onde esteve até ao incêndio em 1750, tendo sido entregue à igreja da Colegiada de Santa Cruz do Castelo.


> História custodial e arquivística

Desconhece-se a história custodial e arquivística da documentação, até ao seu ingresso no Arquivo Municipal de Lisboa.



AGENDA