Sampaio Teixeira

 
 
 





> Código de referência PT/AMLSB/SAM

> Data(s) [193-]-[1998]

> Nome(s) do(s) produtor(es)
Teixeira, Sampaio. 1911-1998, fotógrafo


> História administrativa / biográfica

António Artur Sampaio Teixeira nasceu em Vila Real, na freguesia de São Pedro, a 22 de Julho de 1911. Filho de António Augusto Alves Teixeira, também fotógrafo, e de Maria Celeste Sampaio, ambos naturais do distrito. O pai foi um dos mais destacados fotógrafos de Vila Real e, quando faleceu, possuía, já há largos anos, um reputado estabelecimento na rua Direita, denominado Photografia Vila-realense. A dedicação de António Sampaio Teixeira à fotografia parece ter sido mais por vontade e gosto, do que por necessidade. Com morte do pai, em 1918, por febre pneumónica, terá assumido, com a mãe, o estabelecimento fotográfico da família. Porém, a sua assiduidade era muito irregular, já que, o gosto pelo motociclismo, o desviava frequentemente das responsabilidades profissionais. A mãe morreu em 1929 e, nesse mesmo ano, ainda com 18 anos, Sampaio Teixeira solicitou, com a sua irmã, a emancipação, que foi autorizada pelo tribunal. A partir daqui, são quase nulas as informações sobre Sampaio Teixeira. O seu espólio fotográfico mostra-nos, neste período, um conjunto de fotografias de cabarets parisienses, mas nada nos indica que tenha vivido, com regularidade, naquela cidade. Certo é que, a partir dos anos 40, foi encontrado como fotógrafo de cena, na grande maioria dos teatros de revista da capital, sobretudo, no Parque Mayer (nos teatros Capitólio, Variedades, Maria Victória e ABC), trabalho que executou até aos anos 70. A partir deste período, encontram-se, também, trabalhos fotográficos no Teatro Nacional e no Teatro Nacional de São Carlos, onde retratou diversas óperas e bailados. Particularmente interessantes são as fotografias das companhias que, a partir do 25 de abril de 1974, se apresentaram em Lisboa, como ballet do Teatro Bolshoi, de Moscovo, ou o Ballet Nacional de Cuba.

Sampaio Teixeira foi militante do Partido Comunista Português e a sua militância levou-o, frequentemente, a registar imagens de acontecimentos políticos em Portugal, tais como, comícios políticos e outras iniciativas de associações ou organismos ligados àquele partido. Percorreu, também, principalmente nas décadas de 1970 e 1980, diversos países do bloco de leste, como a Roménia e a Bulgária, produzindo imagens de diversos acontecimentos culturais e políticos destes países. António Sampaio Teixeira demonstrava possuir uma particular atração pela imagem feminina, uma quase obsessão que o levou a fotografar, compulsivamente, nas décadas de 1960 e 1970, não só, figuras do "jet set” português, mas também, amigas e conhecidas, particularmente, na piscina do hotel Atlântico, em Cascais, que frequentava regularmente, e noutros locais. Nesta matéria, foi também abundante a fotografia que produziu na sua residência e estúdio, da rua António Maria Cardoso, que manteve até morrer. Era o que poderíamos chamar um "bon vivant”, possuíndo diversos carros desportivos, com os quais participava em acontecimentos desportivos. Sampaio Teixeira faleceu em Lisboa, em 23 de Agosto de 1998.



> História custodial e arquivística

A documentação ingressou no Arquivo Municipal de Lisboa, através do Centro Nacional de Cultura, em 1999.



pesquisa
 
AGENDA