Artur Pastor

 
 
 
Artur Pastor
O Fotógrafo Artur Pastor


O Arquivo Municipal de Lisboa integra no seu acervo, desde 2001, o fundo do fotógrafo Artur Pastor, um dos grandes nomes da fotografia portuguesa do século XX.

Depois da aquisição do fundo, o Arquivo Municipal de Lisboa encetou um projeto para a sua divulgação através da realização de uma exposição, de um catálogo e de um documentário. 
Assim, disponibilizou ao público, entre 5 de junho e 31 de agosto de 2014, uma exposição tripartida, com cerca de 300 imagens. 
  • No Pavilhão Preto do Museu da Cidade, esteve em exibição o núcleo "Portugal de Artur Pastor”, onde se pôde constatar a visão que o fotógrafo detinha do país; 
  • No Arquivo Municipal | Fotográfico esteve o núcleo "O fotógrafo Artur Pastor” com a mostra dos seus processos de trabalho, os seus projetos, as suas obras publicadas e a sua evolução como fotógrafo; 
  • Na Colorfoto Alvalade, mega loja de fotografia, esteve em exibição o núcleo, "As falésias de Artur Pastor” onde se mostrou que o fotógrafo introduziu a película cromogénea no seu trabalho.
O catálogo apenas em edição digital, foi publicado em 19 de agosto de 2014 e teve a colaboração dos comissários do AML, Luís Pavão e Ana Saraiva, e dos investigadores, Maria Carlos Radich, investigadora no Centro de Estudos de História Contemporânea do Instituto Universitário de Lisboa, de Cristiana Bastos, investigadora no Instituto de Ciências Sociais e de Marcos Fernandes, coordenador de redação da Media Capital Rádios e jornalista na revista Zoom-Fotografia. Contou também com a especial colaboração, em todo o projeto, de Artur Pastor, filho do fotógrafo, seu homónimo.

Este catálogo é complementado com uma galeria virtual de imagens, selecionadas da Exposição Artur Pastor e com uma galeria de imagens de crianças, às quais Artur Pastor deu um especial destaque.

O documentário "A Paisagem de Artur Pastor”, realizado por Fernando Carrilho, estreado no cinema São Jorge no dia 28 de maio de 2014, parte da obra do autor para confrontar o poder da arte fotográfica. 

O fluir do tempo, o efémero e a construção da memória são questões que surgem no trabalho de Artur Pastor, um fotógrafo que nos deixou um Portugal já desaparecido.



AGENDA