Agenda

 
Acto de Estado
2020-11-26 2021-01-09
AML | Fotográfico


Miki Kratsman, sem título, 1996.

O Arquivo Municipal de Lisboa co-organiza com o coletivo (un)common ground esta exposição, na qual a curadora Ariella Aïsha Azoulay desenvolve uma abrangente história fotográfica da ocupação israelense dos territórios palestinos.

Apresentando 700 imagens, a exposição vai além da noção de arquivo para constituir um sistemático registo das formas de poder e controlo usadas para subjugar a população palestina, que é governada sem lhe ser reconhecida cidadania, nem concedida soberania. Temas como a demolição de casas, formas de detenção, checkpoints, as intifadas de 1987-93 e de 2000-5 e a violência exercida sobre os corpos palestinos fazem parte desta exposição, que reúne o trabalho de mais de 80 fotógrafos, incluindo nomes com uma significativa carreira internacional como Miki Kratsman, Micha Kirshner, o colectivo Activestills, mas também fotografias das ONGs Breaking the Silence, B’Tselem ou Médicos pelos Direitos Humanos.

Miki Kratsman, sem título, 2005.
Estas fotografias comentadas não se limitam a ilustrar os principais eventos que marcaram a ocupação dos territórios palestinos desde 1967. Propõem uma nova forma de olhar os eventos históricos, que se recusa a ver as pessoas fotografadas apenas como sujeitos ocupados, mas como agentes que resistem à ocupação e que exigem os seus direitos. Através destas imagens, que documentam quatro décadas de ocupação da Cisjordânia e de Gaza, o espectador é convidado a reconstruir os apelos palestinos, e a reconhecer a fotografia como um espaço de cidadania.

Inaugurada em Telavive (Minshar Gallery, 2007), esta exposição já percorreu cidades como Ferrara, Joanesburgo, Genebra, Poznan, Barcelona, Amsterdão, Ramala, entre outras, e integra a coleção do Centre Pompidou, em Paris. A exposição enquadra-se no projeto (un)common ground, com curadoria de Marlene Freitas, João Figueira, Marta Mestre, Miguel Figueira e Vítor Silva, e conta com apoio da Direção-Geral das Artes.

A exposição fica patente ao público até 9 de janeiro de 2021, seguindo todas as normas da Direção Geral da Saúde.

 
Rua da Palma, 246, 1100-394 Lisboa
Horário: Segunda a sexta, das 10h00 às 18h00, encerra aos sábados, domingos e feriados
+ informações: (+351) 218 844 060 ou arquivomunicipal@cm-lisboa.pt




Ariella Aïsha Azoulay (n. 1962, Telavive), é historiadora, curadora e documentarista. É hoje um nome incontornável no campo da cultura visual, da teoria da fotografia, e do pensamento "pós-colonial”. Entre outros, publicou The Civil Contract of Photography (Zone Books, 2008), The One-State Condition. Occupation and Democracy in Israel/Palestine (c/ Adi Ophir; Stanford University Press, 2012), Civil Imagination. The Political Ontology of Photography (Verso, 2012) e Potential History. Unlearning Imperialism (Verso, 2019). Leciona no Departamento de Cultura Moderna e Media e no Departamento de Literatura Comparada da Universidade de Brown, EUA.
 



 

pesquisa
 
AGENDA