Agenda

 
Colóquio "Pão, Carne e Água: Memórias de Lisboa Medieval"
2019-05-30 2019-05-30
Torre do Tombo

PROGRAMA



10h00 - Abertura

10h15 - Da ideia à concretização: a exposição Pão, Carne e Água. Memórias de Lisboa medieval | Amélia Aguiar Andrade (NOVA FCSH e IEM) e Mário Farelo (IEM e FCSH NOVA; CEHR; CHUL)

10h45 - No encalce das Carniçarias: dinâmicas urbanas na Lisboa Medieval | Manuel Fialho Silva (CHUL e GEO)

11h15 - Pausa para café

11h30 - Carniçarias de Lisboa: contextos faunísticos da intervenção arqueológica da Rua dos Bacalhoeiros | António Marques (CML/DMC/DPC/CAL); Lídia Fernandes (EGEAC E.M./Museu de Lisboa); Cleia Detry (UNIARQ); Fábio Costa (UL)

12h00 - Debate

12H30 - Almoço

14h30 - A cidade de Lisboa na idade média: fontes do Arquivo Municipal | Carlos Guardado da Silva (Centro de Estudos Clássicos, FHUL)

15h00 - Pera boom aviamento do fazer dos bizcoytos: os moinhos de maré do estuário do Tejo no abastecimento de Lisboa na Idade Média | Ana Cláudia Silveira(Câmara Municipal do Seixal / Ecomuseu; IEM NOVA FCSH)

15h30 - Pausa para café

15h45 - Debate

16h15 - O Pão de Lisboa | Iria Gonçalves(NOVA FCSH IEM)

17h00 - Encerramento

17h30 - Lançamento do Catálogo "Pão, Carne e Água: Memórias de Lisboa Medieval" | Hermenegildo Fernandes(FLUL e CHUL)

18h00 - Visita guiada à exposição | Amélia Aguiar Andrade e Mário Farelo



Entrada livre, limitada à lotação da sala
Mais informações via e-mail ou telefone (arquivomunicipal@cm-lisboa.pt | 213 807 150/4)



Professora catedrática de História Medieval – Departamento de História, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (NOVA FCSH). As suas áreas de investigação centram-se nos domínios da História Urbana Medieval, do estudo dos Espaços e poderes na Idade Média e respetivas formas de articulação e na exploração das Inquirições régias medievais como fonte privilegiada para o tratamento de tais temáticas.
Entre as suas publicações mais recentes, incluem-se: Espaços e poderes na Europa Urbana Medieval. Lisboa-Castelo de Vide: IEM - Instituto de Estudos Medievais / Câmara Municipal de Castelo de Vide, 2018 (coeditora, com Catarina Tente, Gonçalo Melo da Silva e Sara Prata); O papel das pequenas cidades na construção da Europa Medieval. Lisboa / Castelo de Vide: IEM - Instituto de Estudos Medievais / Câmara Municipal de Castelo de Vide, 2017 (coeditora, com Adelaide Millán da Costa e Catarina Tente); "Lisbon. Trade, Urban Power and the King’s Visible Hand”. in BLOCKMANS, Wim; KROM, Mikhail e WUBS-MROZEWICZ, Justyna (eds.) – The Routledge Handbook of Maritime Trade Around Europe, 1300-1600: Commercial Networks and Urban Autonomy. London: Routledge, 2017, pp. 333-351 (com Flávio Miranda); Inquirir na Idade Média: Espaços, protagonistas e poderes (séculos XII-XIV). Tributo a Luís Krus. Lisboa: IEM, 2015 (coeditora, com João Luís Fontes); La ville médiévale en débat. Lisboa: IEM, 2013 (coeditora com Adelaide MIllán da Costa); Ser mujer en la ciudad medieval europea. Logroño: Instituto de Estudios Riojanos, 2013 (coeditora com J. A. Solórzano Telechea e Beatriz Arízaga Bolumburu).

Tem assumido múltiplos cargos em termos científicos e académicos, tanto em Portugal como no estrangeiro. É, desde 2011, Diretora da Biblioteca Mário Sottomayor Cardia e dos Centros de Documentação da NOVA FCSH e, desde 2017, investigadora principal de ROSSIO infrastructure- Social Sciences, Arts and Humanities; é Membro do Conselho Científico da NOVA FCSH, cuja vice-presidência assumiu entre 2006 e 2008. Foi Sub-directora da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (2009-2012), coordenadora do curso de doutoramento em História da NOVA FCSH (2011-2013) e igualmente coordenadora do Curso de Doutoramento em Estudos Medievais numa parceria NOVA FCSH e UAberta (2016-2018). Dirigiu o Instituto de Estudos Medievais, da mesma Faculdade, entre 2011 e 2016. Em termos internacionais, além dos inúmeros projetos, redes de investigação, júris e painéis de avaliação em que se integrou e integra, é Membro da Société Francaise d’Histoire Urbaine actual membro emérito da European Association for Urban History, cujo comité científico integrou entre 2008 e 2018; é, desde 2005, vogal do Comité Científico de Nájera: Encuentros Internacionales del Medievo. Integra desde 2019, o conselho de redação da revista Anuario de Estudios Medievales (CSIC- Barcelona).

Licenciou-se em História na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, em 1994, encontrando-se atualmente a preparar uma dissertação de doutoramento em História Medieval, centrada sobre o espaço urbano de Setúbal, sob orientação da Professora Doutora Amélia Aguiar Andrade.
É membro do Instituto de Estudos Medievais (FCSH/NOVA) e integra a equipa da Cátedra UNESCO "O Património Cultural dos Oceanos”, que funciona sob coordenação do CHAM – Centro de Humanidades (FCSH/NOVA).
Desempenha funções como técnica superior na Câmara Municipal do Seixal desde 2000, onde tem desenvolvido investigação e projetos expositivos relacionados com o Moinho de Maré de Corroios. Entre 2004 e 2006, coordenou o projeto internacional "Moinhos de Maré do Ocidente Europeu”, financiado pelo Programa Cultura 2000 da Comissão Europeia.
Tem publicado diversos artigos centrados na organização e desenvolvimento dos espaços litorais, na gestão territorial promovida pela Ordem Militar de Santiago nos seus domínios e na relação da instituição com outras esferas de poder.
Recebeu, em 2016, o Prémio de História Alberto Sampaio com o trabalho "Lavrar o Mar: a dinâmica da produção de sal em Setúbal no contexto dos salgados portugueses.
Etapas de uma afirmação internacional” e, em 2017, foi-lhe atribuído o prémio Doutor José Silva Maltez do Centro de Investigação Professor Doutor Joaquim Veríssimo Serrão (CIJVS) pelo ensaio "Testemunhos históricos sobre a evolução da linha de costa em Portugal”.
Publicações recentes
2018 – "Setúbal dans les routes du sel” in Sels et Salines de l’Europe atlantique, dir. Loïc Ménanteau, Rennes, Presses Universitaires de Rennes, pp. 234-243.
2018 - "Testemunhos históricos sobre a evolução da linha de costa em Portugal”, Mátria XXI - Revista do Centro de Investigação Professor Doutor Joaquim Veríssimo Serrão, nº 7, Santarém, 603-635.
2017 – "Alcântara: um moinho de maré medieval no termo de Lisboa (séculos XIII a XVIII)” in Cadernos do Arquivo Municipal de Lisboa, 8, coord. Amélia Aguiar Andrade e Mário Farelo, Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa [http://arquivomunicipal.cmlisboa.pt/fotos/editor2/Cadernos/2serie/8/alcantara_08.pdf].
2017 – "A gestão do património urbano da Ordem Militar de Santiago em Setúbal no final do século XV: indícios de uma polarização regional?” in Atas das Jornadas Internacionais de Idade Média O papel das pequenas cidades na construção da Europa medieval, org. Adelaide Millán da Costa, Amélia Aguiar Andrade e Catarina Tente, IEM / Câmara Municipal de Castelo de Vide, pp. 419-442.
2017 – "Oficialato senhorial, elites urbanas e processos de aristocratização numa vila portuária do domínio espatário: Setúbal no século XV” in Atas do Colóquio Internacional Conflito Político: lucha y cooperación. Ciudad y Nobleza en Portugal y Castilla en la Baja Edad Media, Ed. Jose Antonio Jara Fuente e Adelaide Millán da Costa, pp. 281-303.
2016 – "As casas da comenda mestral de Setúbal” in As Comendas Urbanas das Ordens Militares, coord. Luís Filipe Oliveira, Lisboa, Edições Colibri, pp. 65-83.
2013 – "Le rôle des officiers de l’Ordre Militaire de Santiago dans la mise en valeur économique de Setúbal et de sa région à la fin du Moyen Âge” in Les Territoires de la Méditerranée, XIe-XVIe siècle, ed. Damien Coulon, Annliese Nef, Christophe Picard, Dominique Valérian, Presses Universitaires de Rennes, pp. 101-118.

ANTÓNIO MARQUES
Licenciado em História variante de Arqueologia pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, em 1989. Integrou o quadro da Câmara Municipal de Belmonte em1994, onde procedeu à escavação parcial do respetivo castelo e de outros monumentos do concelho. Exerceu ainda atividade profissional nas autarquias de Soure e da Guarda. Em 1999 integrou o quadro da Câmara Municipal de Lisboa, tendo integrado a equipa do Serviço de Arqueologia do então Museu da Cidade, que coordenou entre 2011 e 2013, tendo realizado diversas intervenções arqueológicas na cidade de Lisboa, no contexto de Arqueologia Urbana, de entre as quais na Rua dos Bacalhoeiros 32, onde se identificaram vestígios das Carniçarias Medievais de Lisboa.
Atualmente, desde 2015, é Coordenador do Centro de Arqueologia de Lisboa e um dos responsáveis pelo Projeto Lisboa Romana: Felicitas Iulia Olisipo.


CARLOS GUARDADO DA SILVA
É licenciado em História (1994), Mestre (1998) e Doutor em História Medieval (2004) e pós-graduado em Ciências Documentais – variantes de Arquivo (2005) e de Biblioteca e Documentação (2006), pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
Agregado em Ciência da Informação (2016) pela Universidade de Coimbra. Investigador do Centro de Estudos Clássicos e Professor, desde 2007 (desde 2015 em exclusividade), da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde dirige o mestrado em Ciências da Documentação e Informação. Durante c. de 20 anos, entre 1996 e 2015, foi o responsável pelo Arquivo Municipal de Torres Vedras, serviço que implementou no Município. É membro da Sociedade Portuguesa de Estudos Medievais (SPEM), Académico Correspondente da Academia Portuguesa da História (APH) e membro do Centro de Investigação Joaquim Veríssimo Serrão. Vice-Presidente da Assembleia Geral da BAD – Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, e vogal da direção do Capítulo Ibérico da ISKO – International Society for Knowledge Organization. É ainda sócio da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação – SOPCOM.
Autor e coautor de diversos títulos, no âmbito da História (com particular ênfase na História Medieval, e especificamente de Lisboa Medieval, e na Guerra Peninsular), património cultural e Ciência da Informação.
É membro da direção da Associação (regional) de defesa do ambiente – Real 21, com sede no Bombarral, e sócio da Associação de Educação Física e Desportiva de Torres Vedras.
É membro do Conselho Consultivo da Rota Histórica das Linhas de Torres.

CLEIA DETRY
Licenciada em Biologia pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e doutorada em Arqueologia pela Universidade de Salamanca, tendo beneficiado de uma bolsa de doutoramento da FCT.
Especializou-se ainda durante a licenciatura em Zooarqueologia, o estudo de restos de animais recuperados em sítios arqueológicos. Tem dedicado a sua investigação sobretudo ao estudo da domesticação e melhoramento dos canídeos e bovídeos.
No final da Licenciatura trabalhou para o Centro de Arqueologia de Oeiras (C. M. de Oeiras) onde estudou materiais arqueológicos do povoado Calcolítico de Leceia em 2000.
Depois do doutoramento trabalhou para o ex-IGESPAR (agora parte da DGPC) com um estudo sobre materiais encontrados no Mosteiro de Santa Clara-a-Velha (Séc. XVII) em Coimbra.
Em 2009 obteve uma bolsa de pós-doutoramento da FCT tendo-se dedicado ao estudo do melhoramento animal em Portugal nos últimos dois mil anos.
Em 2016 conseguiu nova bolsa de pós-doutoramento sobre a gestão e melhoramento de bovídeos e suídeos no período Romano.
Organizou a primeira Conferência Internacional de Zooarqueologia em Portugal (2012) e a sexta Conferência do Grupo de Arqueogenética do ICAZ (International Council for Archaeozoology) em 2013. Continuou a participar na organização de mais conferências da especialidade três das quais no último ano.
Os seus artigos têm sido publicados em diferentes revistas de referência na especialidade, nomeadamente no Journal of Archaeological Science, Science of Nature, Cell e Molecular Biology and Evolution, entre outras.


HEMENEGILDO FERNANDES
É Professor Associado da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde se doutorou em História Medieval (2001). Foi subdiretor da FLUL (2009-2013) e é membro eleito do respetivo Conselho Científico desde 2009; assume, desde 2012, a direção do Centro de História da Universidade de Lisboa. As suas principais áreas de estudo são a História Medieval Hispânica, a História do al-Andalus e os Sistemas de Organização Espacial (séc. XI-XIV). Entre os temas de investigação atuais, salienta: a fronteira ocidental entre o al-Andalus e os reinos cristãos entre os séculos XII e XIII, especialmente nas áreas do Tejo e Guadiana, sobre as quais dirige várias teses de mestrado e doutoramento; a formação das elites e a organização do território na transição entre o período muçulmano e o cristão; cultura letrada e letrados entre o al-Andalus e a latinidade hispânica.
Das suas publicações mais recentes destaca: D. Sancho II. Tragédia. Lisboa: Círculo de Leitores, 2006 (2ª ed., 2009); Nação e Identidades. Portugal, os Portugueses e os Outros. Lisboa: Centro de História da Universidade de Lisboa/Caleidoscópio, 2009 (co-editor com Sérgio Campos Matos, Isabel Castro Henriques e José Horta); Olhares Sobre a História. Estudos oferecidos a Iria Gonçalves. Maria do Rosário Themudo BARATA e Luís KRUS (dirs.), Amélia Aguiar ANDRADE, Hermenegildo FERNANDES e João Luís FONTES (coords.). Lisboa: Caleidoscópio, 2009 ; "Alentejo”, "Coruche”, "Fernando, Infant”, "Vera Cruz de Marmelar”. in BÉRIOU, Nicole e JOSSERAND, Philippe (dir.) – Dictionnaire des ordres militaires en Europe au Moyen Âge. Paris: Ed. Fayard, 2009; A Universidade Medieval em Lisboa: séculos XIII-XVI (editor). Lisboa: Tinta-da-china, 2013.
Foi Professor visitante na Universidade Muhammad V al-Agdal de Rabat (2010-2012) e membro de vários painéis FCT (desde 2006). Tem dirigido mais de uma dezena de teses de mestrado e doutoramento.


IRIA GONÇALVES
Licenciada em Ciências Histórico-Filosóficas pela Universidade de Lisboa, onde iniciou a sua carreira como assistente da Professora Doutora Virgínia Rau e doutora em História Medieval pela Universidade Nova de Lisboa, onde, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas e até à sua Jubilação em 2003, lecionou cadeiras de História Medieval da Licenciatura em História e cadeiras e seminários do curso de Mestrado em História Medieval. Coube-lhe também a orientação científica de diversas dissertações de mestrado e doutoramento no âmbito da História Medieval. A sua investigação tem-se dirigido sobretudo para as temáticas relacionadas com a organização do espaço, a alimentação, a antroponímia, a fiscalidade.

Seleção bibliográfica
À mesa nas terras de Alcobaça em finais da Idade Média, DGPC, 2017.
Maria, Catarina e tantas outras. Ensaio de Antroponímia Medieval, Lisboa, Centro de Estudos Históricos, 2013.
Por terras de Entre-Douro-e-Minho com as Inquirições de D. Afonso III, Porto, CITCEM – Faculdade de Letras da Universidade do Porto – Ed. Afrontamento, 2012.
«A mesa itinerante dos nossos primeiros reis», in A mesa dos reis de Portugal. Ofícios, consumos, cerimónias e representações (séculos XIII-XVIII), coord. de Ana Isabel Buescu e David Felismino, apresentação de Maria Helena da Cruz Coelho, Lisboa, Temas e Debates - Círculo de Leitores, 2011, pp. 286-303. ISBN 978-989-644-159-3
«O espaço rural», «O nome», «A alimentação». in História da Vida Privada em Portugal. Dir. José Mattoso. Vol. I – A Idade Média. Coord. de Bernardo Vasconcelos e Sousa. Lisboa: Temas e Debates – Círculo de Leitores, 2010, pp. 39-53, 198-225, 226-259. ISBN 978-989-644-122-7

LÍDIA FERNANDES
Licenciada em História – Variante Arqueologia pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, obtém o grau de Mestre em História de Arte, em 1997, pela FCSH da Universidade Nova de Lisboa. Doutoranda da Universidade de Coimbra com tema sobre a decoração arquitetónica de época romana.
Desde 1989 que exerce a atividade de arqueóloga na Câmara Municipal de Lisboa e, desde 2010, é coordenadora do Museu de Lisboa - Teatro Romano / EGEAC (C.M.L.).
Possui múltiplos artigos publicados sobre vários temas, destacando-se os estudos sobre elementos arquitetónicos de época romana, ceramologia, arqueologia urbana e sobre o teatro romano de Lisboa, para além da história dos jogos em Portugal. Até ao momento publicou mais de cem artigos e possui quatro livros publicados.
Tem realizado várias exposições das quais foi comissária, destacando-se, entre outras "Debaixo dos Nossos Pés - Pavimentos Históricos de Lisboa” (2017); "Saudades da Rua da Saudade – o teatro romano e a sua envolvente nas memórias da cidade” (2017) ambas com catálogo da sua responsabilidade.

Mário Farelo
Mestre-ès Arts pela Universidade de Montréal (1999) [La peregrinatio academica portugaise vers l’Alma mater parisienne, XIIe-XVe siècles], mestre em História Medieval [O Cabido da Sé de Lisboa e os seus cónegos (1277-1377)] e doutor em História Medieval [A oligarquia camarária de Lisboa (1325-1433)], ambos os graus concedidos pela Universidade de Lisboa (2004 e 2009). Bolseiro de pós-doutoramento da FCT, entre 2009 e 2014, no Instituto de Estudos Medievais, no Centro de Estudos de História Religiosa e no Laboratoire de Médiévistique Occidentale de Paris com um projeto intitulado O reino de Portugal e o intervencionismo do papado de Avinhão (1305-1377).
Professor auxiliar convidado do Departamento de História da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH) (2008-2009; 2011-2012; 2015-2016), é igualmente membro integrado no Instituto de Estudos Medievais (no qual foi coordenador do Grupo de investigação Territórios e Poderes entre 2014-2019), para além de membro colaborador do Centro de Estudos de História Religiosa e do Centro de História da Universidade de Lisboa.
Atualmente é Investigador Contratado no âmbito do projeto de investigação Cistercian Horizons. Studying and characterizing a medieval scriptorium and its production. Alcobaça. Local identities and liturgical uniformity in dialogue (PTDC/ART-HIS/29522/2017). É igualmente membro dos projetos de investigação Promoción artística y cultura cortesana en Castilla durante los reinados de Juan II y Enrique IV (1405-1474), projeto de investigação acolhido pela Universidade de Cantábria (HAR2017-82170-P) e Œconomia Studii: Funding, resources and management of the Portuguese university (13th-16th centuries) acolhido pelo Centro de História – Universidade de Lisboa (PTDC/EPHHIS/3154/2014).

Das suas publicações mais recentes, ligadas à história da Lisboa medieval, assim como à história eclesiástica, urbana, diplomática e cultural do reino de Portugal na Idade Média, destacam-se:
«As inquirições de testemunhas no conflito entre a Cidade e o Bispo de Lisboa sobre a posse dos senhorios episcopais (1332-1333)» in Jorge DÍAZ IBÁÑEZ e José Manuel NIETO SORIA, coords. Iglesia, Nobleza y Poderes urbanos en los reinos cristianos de la Península Ibérica durante la Edad Media, Murcia, Sociedad Española de Estudios Medievales e Editum, 2019, p. 381-416 [ISBN 978-84-17157-97-5].
«Um coletor apostólico in remotis finibus mundi. Bertrand du Mazel em Portugal (1368-1371)» in Francisco J. HERNÁNDEZ; Rocío SÁNCHEZ AMEIJEIRAS e Emma FALQUE, eds. Medieval Studies in Honour of Peter Linehan, Firenze, SISMEL – Edizioni del Galluzzo, 2018, p. 532-556 [ISBN 978-88-8450-858-4].
«A rede confraternal na cidade de Lisboa (séculos XIII-primeira metade do séc. XVI)» in ANDRADE, Amélia Aguiar; TENTE, Catarina; PRATA, Sara, eds. Espaços e poderes na Europa urbana medieval, Castelo de Vide, IEM/FCSH/NOVA / Câmara Municipal de Castelo de Vide, 2018, p. 465-492 [ISBN 978-989-99567-8-0; 978-972-9040-15-3] [http://hdl.handle.net/10362/52189].
FONTES, João Luís Inglês (dir); ANDRADE, Maria Filomena; GOUVEIA, António Camões e FARELO, Mário (coords.), Bispos e Arcebispos de Lisboa, Lisboa, Livros Horizonte - Centro de Estudos de História Religiosa, 2018 [ISBN 978-972-24186-8-3] (em parceria).

Manuel Fialho Silva é investigador do Gabinete de Estudos Olisiponenses, um equipamento da Câmara Municipal de Lisboa, e investigador integrado do Centro de História do Centro de História da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. As suas áreas de interesse convergem entre a História do Urbanismo, História Urbana e a História Medieval com especial foco na cidade de Lisboa. A sua tese de doutoramento defendida em 2017 na Universidade de Lisboa intitula-se: Mutação Urbana na Lisboa Medieval: das Taifas a D. Dinis.

 

AGENDA