Notas biográficas

 
 
 

NOTAS BIOGRÁFICAS


Ana Isabel Ribeiro é licenciada em História (FLL, 1982) e Mestre em História da Arte Contemporânea (FCSH, 1994), com a tese Arquitectos Portugueses: 90 anos de vida associativa, 1863-1953, editada pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, em 2002. 
Foi Bibliotecária da Associação dos Arquitectos Portugueses, Secção Regional do Sul (atual Ordem dos Arquitectos), de 1982 a 1994. 
Em 1994, como investigadora, integrou a equipa da Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea (Câmara Municipal de Almada) do qual foi diretora, de 2002 a 2016.  
Desde janeiro de 2017 que integra o Núcleo de Estudos de Património do Departamento de Património Cultural – Direção Municipal de Cultura da Câmara Municipal de Lisboa.
Investigadora nas áreas das Artes Visuais, Arte Pública e Arquitetura, desenvolveu trabalhos de curadoria, tem artigos publicados nestes vários domínios. Entre outras, foi coordenadora científica da exposição Miguel Ventura Terra. A Arquitectura enquanto projecto de vida, promovida pela Câmara Municipal de Esposende, primeira mostra monográfica sobre o arquiteto realizada em 2006, e foi cocoordenadora da exposição Ventura Terra, Arquiteto. Do util e do bello, organizada em 2017 pelo Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa através do seu Departamento de Património Cultural, mostra integrada nas Comemorações dos 150 Anos do Nascimento de Ventura Terra.


Ana Tostões é Presidente do Docomomo Internacional, editora do Docomomo Journal (www.docomomo.com). Professora Catedrática IST-Universidade de Lisboa, investigadora CiTUA onde lidera a linha investigação Arquitetura. Visiting Professor na Universidade Tóquio, EPFL, KULeuven, EAUN e FAUP. Publicou Idade Maior, Cultura e Tecnologia na Arquitectura Moderna Portuguesa (FAUP, 2015) Prémio da X Bienal Ibero-Americana de Arquitectura y Urbanismo, editou Arquitectura Moderna em África: Angola e Moçambique Prémio Gulbenkian da Academia Portuguesa de História (2014). É IR do projecto "Cure and Care” focado no estudo dos equipamentos de saúde em Portugal no século XX.

Gonçalo Canto Moniz é professor associado do Departamento de Arquitetura e investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Coordena o projecto europeu "URBiNAT - Healthy corridor as drivers of social housing neighbourhoods for the co-creation of social, environmental and marketable NBS" (H2020) e participa no projecto "Ascensão da Arquitetura Moderna Portuguesa" (FCT). Tem investigado e publicado sobre Regeneração Urbana e sobre Arquitetura Moderna, nomeadamente sobre os equipamentos escolares e o ensino da arquitetura, sendo autor do livro "O Ensino Moderno da Arquitetura. A Formação do Arquiteto nas Escolas de Belas Artes em Portugal (1931-69)" (FIMS, Afrontamento, 2019).


Helena Neves (Câmara Municipal de Lisboa / Arquivo Municipal de Lisboa) é formada em História pela faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, com pós-graduação em Ciências Documentais, opção Arquivo, pela mesma Universidade.  Iniciou a sua atividade profissional em 1989, no Arquivo da Câmara Municipal de Lisboa, onde assumiu a coordenação de diversas equipas. Neste âmbito, foi responsável pela definição de requisitos funcionais para o desenvolvimento de soluções tecnológicas de gestão documental, produziu manuais de procedimentos e acompanhou o início da digitalização dos processos de obras particulares. Em representação da CML participou nos projetos de elaboração da Norma Portuguesa NP 404, na elaboração da Portaria 412/2001, de 17 de abril, que aprova o Regulamento Arquivístico para as Autarquias Locais, na elaboração da Lista Consolidada de Processos de Negócio para a Administração Pública bem como no projeto de Avaliação Suprainstitucional de Informação Arquivística (ASIA), projeto este a contemplar na Medida 51 do Simplex + (Arquivo Digital), coordenado pela DGLAB. É Chefe de Divisão do Arquivo Municipal de Lisboa, desde 2017.


Paulo Batista 
(Câmara Municipal de Lisboa / Arquivo Municipal de Lisboa; CIDEHUS.UE) é técnico superior no Arquivo Municipal de Lisboa, onde tem colaborado na investigação, organização, descrição e comunicação de acervos relativos a arquivos particulares de arquitetura, de que são exemplos os de Cassiano Branco e Francisco Keil do Amaral. Investigador integrado do CIDEHUS.UÉ, no âmbito do qual tem coordenado cursos livres sobre os Arquitetos de Lisboa e A Arquitetura em Lisboa. Doutor em Documentación, pela Universidad de Alcalá, com uma tese intitulada La série documental "Expedientes de obra particulares” por el Municipio de Lisboa: Análisis de su sistema de gestión. Autor de publicações em revistas da especialidade portuguesas e estrangeiras, em livros de coordenação diversa e artigos científicos apresentados em congressos nacionais e internacionais.


Paulo Tormenta Pinto (Lisboa, 1970) é Professor Catedrático do ISCTE e Investigador Integrado do Dinâmia/CET. Foi diretor do Programa de Doutoramento "Arquitetura dos Territórios Metropolitanos Contemporâneos” do ISCTE entre 2011 e 2017, exercendo atualmente as funções de Diretor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo do ISCTE. É autor do livro Cassiano Branco (1897-1970) Arquitetura e Artificio. 


Raquel Henriques da Silva é Professora na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Departamento de História da Arte de que é coordenadora executiva desde 2015. Lecciona seminários do Mestrado em História da Arte do século XIX, do Mestrado em Museologia e do Doutoramento em História da Arte que coordena. Autora de estudos de investigação e divulgação nas áreas do urbanismo e arquitetura (século XIX-XX), artes plásticas e museologia. Comissária de exposições de arte. Foi diretora do Museu do Chiado (1994-97) e do Instituto Português de Museus (1997-2002). Integrou o Conselho de Administração da Fundação de Serralves (2000-06) e, atualmente, integra o Conselho de Administração da Fundação Arpad-Szenes-Vieira da Silva. É diretora científica Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira (desde 2017).


José Manuel Fernandes nasceu em Lisboa, Portugal, em 1953. Arquiteto licenciado pela Escola de Belas Artes de Lisboa em 1977, docente na ESBAL desde 1978. Professor, Doutorado (1993), Agregado (1999) e Catedrático (2010) em História da Arquitetura e do Urbanismo da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa. Membro do Conselho Editorial da revista Monumentos desde 1994 (37 nºs editados, nº 38 em curso, em 2020, com DGPC). Conferencista convidado no Departamento de Arquitetura da Universidade Autónoma de Lisboa desde 2003, e seu Cofundador e Diretor no período 1998/2000. Diretor do Instituto de Arte Contemporânea do Ministério da Cultura de Portugal em 2001/2003. Investiga, escreve e publica regularmente sobre História da Arquitetura e do Urbanismo (publica artigos científicos desde 1978; livros de investigação e divulgação desde 1989). 


José Neves (Arquiteto, Professor Convidado do Departamento de Arquitetura e Urbanismo do ISCTE) nasceu em Lisboa, em 27 de Dezembro de 1963, e licenciou-se em Arquitectura pela Faculdade de Arquitetura da Universidade Técnica de Lisboa, em 1986. Colaborou com os arquitetos Duarte Cabral de Mello e Maria Manuel Godinho de Almeida entre 1986 e 1990 e participou em diversos trabalhos com o arquiteto Vítor Figueiredo. Abriu atelier próprio em 1991. É Professor convidado de Arquitetura no Departamento de Arquitetura e Urbanismo do ISCTE-IUL desde 2013, e ensinou na Faculdade de Arquitetura da Universidade Técnica de Lisboa (1988-2012), na Universidade Autónoma de Lisboa (1998-2000) e na Universidade Lusíada (1990-1991). O seu trabalho foi distinguido com vários prémios dos quais se destacam o Prémio AICA de Arquitetura 2014, o Prémio SECIL de Arquitectura 2012, o Prémio VALMOR 2011 ou a Menção Honrosa do Prémio VASCO VILALVA para a Recuperação e Valorização do Património 2014, da Fundação Calouste Gulbenkian.


José António Bandeirinha (Departamento de Arquitetura / Centro de Estudos Sociais / Universidade de Coimbra) é Arquiteto pela Escola Superior de Belas-Artes do Porto (1983). Exerce profissionalmente e é Professor Catedrático do Departamento de Arquitetura da Universidade de Coimbra, onde se doutorou em 2002 com uma dissertação intitulada O Processo SAAL e a Arquitectura no 25 de Abril de 1974. É investigador do Centro de Estudos Sociais e Diretor do Departamento de Arquitetura da Universidade de Coimbra (2002-2004; 2006-2007 e 2017-...). Foi Pró-Reitor para a Cultura da Universidade de Coimbra (2007 a 2011). Foi Diretor do Colégio das Artes da Universidade de Coimbra (2011-2013).


Carlos Machado e Moura (Porto, 1982) é investigador integrado do Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo da Universidade do Porto (CEAU-FAUP). Licenciado pela Universidade do Porto (FAUP, 2006) e pós-graduado em Património Arquitectónico (CEAPA-FAUP, 2013), desenvolve investigação de Doutoramento (PDA-FAUP) com bolsa da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT, 2015). Leccionou no curso de "Urbanistica e Pianificazione Territoriale e Ambientale” da Università degli Studi di Firenze (2009-10) e integrou vários projectos europeus ligados à regeneração urbana e ao desenvolvimento local. Foi curador assistente da exposição "Físicas do Património Português: arquitetura e memória” (DGPC/MAP, 2018-19) e comissário-adjunto do Open House Porto 2016. Integra actualmente o comité de gestão da Acção COST 18126 "Writing Urban Places: New Narratives of the European City” (2019-2023) e o projecto de investigação "(EU)ROPA Rise of Portuguese Architecture/Ascenção da Arquitetura Portuguesa” (CES/FCT, 2018-2021). É também autor e co-autor de projectos de arquitetura, de que se destaca a Escola Primária e Pré-primária de Sant'Albino em Montepulciano (Itália, 2010-16). É ainda autor do livro "Building Views” (Circo de Ideias, 2017), co-autor de "Casas Quinhentistas de Castelo Branco” (CMCB/Argumentum, 2008) e de vários artigos em jornais e revistas, tendo integrado a redacção do J–A Jornal Arquitectos (2015-19).


Nuno Távora (Lisboa, 1960) é licenciado em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura de Lisboa em 1985. Mestre pela Universidade Lusíada de Lisboa em 2002 com a dissertação " Dois livros e uma igreja - aspectos da Ideia de História na arquitectura do século XX". Doutoramento pela Universidade Lusíada de Lisboa em 2016, com a dissertação " Retrato de um país suave: O Portugal dos Pequenitos". Docente no curso de arquitectura da Universidade Lusíada de Lisboa entre 1989 e 2012. Docente no curso de arquitetura da Universidade Lusófona de Lisboa entre 2010 e 2016. Exercício de profissão liberal.


Jorge Figueira é arquiteto pela Universidade do Porto (1992), doutorado pela Universidade de Coimbra (2009). Professor associado e director do Departamento de Arquitetura da UC entre 2010-2017. Investigador e vice-presidente do Conselho Científico do Centro de Estudos Sociais. Membro externo do Conselho Geral do ISCTE-IUL. Membro da direção da Ordem do Arquitectos. Investigador principal de (EU)ROPA – Rise of Portuguese Architecture (CES/FCT). Tem atividade como arquiteto, curador e trabalho publicado como crítico de arquitetura.






pesquisa
 
AGENDA