Laboratório 3

 
 
 

© Mariana Viegas, Marvila, 2001

Espaço Expectante
Laboratório 3: Cidade | Arquivo

15, 16 e 17 de maio de 2019
Biblioteca Municipal de Marvila



Dando continuidade ao debate já iniciado no ciclo O QUE É O ARQUIVO?, nomeadamente em torno da definição contemporânea de Arquivo, o terceiro e último Laboratório concentra-se no encontro entre Cidade e Arquivo.

A proposta deste Laboratório surge do confronto com uma zona da cidade de Lisboa em intensa transformação, Marvila, onde parece ser particularmente premente levantar questões sobre o Arquivo. Trata-se de um território amplo, complexo e heterogéneo, dificilmente agregável numa unidade, que reúne vários bairros atravessados por vias rápidas que os tornam ilhas. É também uma área social e topograficamente sensível, onde um passado rural e industrial, visível enquanto ruína, convive com a construção de bairros sociais ou com uma recente renovação das atividades económicas, acompanhada por uma alteração no tecido social da população e uma progressiva valorização imobiliária.

A noção de Arquivo continuará a ser problematizada na sua dimensão mais ampla, extravasando limites institucionais ou patrimoniais, mas desta vez esse questionamento será feito a partir da importância do Arquivo para a construção de um lugar (espaço habitado). Pensar a cidade como Arquivo levanta desde logo questões relativas à memória (e ao esquecimento) dos lugares, à ausência de arquivo e ao modo como essa ausência pode definir um território. Pensar a cidade a partir do Arquivo também suscita questões relativas ao controlo do arquivo pelas instituições públicas e privadas e à relação com o tempo histórico, à criação de expectativas e à museificação do espaço. Questões que se têm tornado incontornáveis em várias cidades e, em particular, em Lisboa.

A partir de uma observação deste território, pressionado pela estratificação temporal e pelos modos de vida impressos na paisagem, "Espaço expectante” afirmou-se como tema aglutinador. Esse tema está declinado em três linhas de investigação, abordadas em três mesas de trabalho complementares: território, para suscitar questões relacionadas com o desenho e planeamento territorial (nível do mapa) e o modo como este influencia ou se relaciona com os trajetos e a habitação (o nível do chão); estratos, para trabalhar a sedimentação visível de camadas temporais numa mesma paisagem, acumulação de tempos de que a ruína é uma sinédoque; terreno, para tratar problemas relacionados com a "terra”, e discutir as potencialidades da ocupação e da tomada do espaço urbano, e da possibilidade de um espaço afirmado como improdutivo ou vago.

Como método para o desenho deste Laboratório foram organizadas sessões de trabalho com investigadores e artistas que contactaram com Marvila ou têm estudado temas e problemáticas associados a este território. Estas sessões influenciaram fortemente o formato deste encontro e tiveram a participação de António Miranda, Fátima Tomé Ribeiro, Frédéric Vidal, Guya Accornero, Joana Braga, Mariana Viegas, Paulo Catrica, Susana Ventura, Tiago Castela e representantes de associações locais. Estas sessões de trabalho serão continuadas depois deste Laboratório, o qual será, assim, um ponto aglutinador mas intermédio numa discussão que se procurará alargar e desenvolver no tempo.

Acompanhe toda a iniciativa na página de Facebook

Local: 
Biblioteca Municipal de Marvila
R. António Gedeão, 1950-374 Lisboa
Telefone 21 817 3000


ORGANIZAÇÃO Câmara Municipal de Lisboa /Arquivo Municipal de Lisboa / Videoteca
PARCERIA Projeto OBRA – Fragmentação e Reconfiguração: A experiência da cidade entre arte e filosofia.
CURADORIA Inês Sapeta Dias, Joana Ascensão, Maria do Mar Fazenda, Nélio Conceição e Susana Nascimento Duarte

INFORMAÇÕES
Telefone: 218 170 433 | E-mail: oqueeoarquivo@cm-lisboa.pt



Em parceria com                                Apoio



    
Junta de Freguesia de Marvila           Projeto Rock







AGENDA