Fevereiro 2018

 
 
 
 
CARNAVAL EM LISBOA

[Carnaval da Escola Politécnica] 1907

Descrição: Carnaval da Escola Politécnica
Data: 1907
Código de referênciaPT/AMLSB/CMLSBAH/PCSP/004/LIM/001849

O Entrudo (latim introitus, -us, entrada, começo) corresponde ao período que compreende os três dias que precedem a Quaresma. O mesmo que Carnaval que corresponde ao conjunto de brincadeiras e festejos que ocorrem nesses dias, e que se compõe de grande divertimento ou festa, farra, festim, folguedo, folia e pândega, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa

A origem do Carnaval perde-se no tempo e muita coisa mudou em relação à forma como este se foi materializando ao longo dos anos. 
A Ilustração Portuguesa nº 70, de 6 de Março de 1905 descreve o Entrudo [lisboeta] mais folião, mais espontâneo, mais gracioso há anos, noutros tempos quando não entrara na ordem nem tinha edital da polícia, nem o símbolo d’uma realeza patusca nem ruas certas para o festejo. O Chiado tinha a fama das suas entrudadas, porque o janotismo fazia ali quartel-general e o povo afluía a ver as grandes cenas de pagode e as batalhas fortes que se travavam de janela para janela. Arremessavam-se ovos cheios de cinza, sacas de tremoços, havia grandes seringas que despejavam dilúvios, uma ou outra garrida bisnaga, mas dominava a farinha que toldava os ares e dava às pessoas o ar de moleiros, mas por vezes também empoeirava d’uma maneira galante como a umas cabeleiras do século XVIII as gentis cabeças das damas que brincavam sem temor. O Zé Augusto abençoava as turbas patuscamente após um sermão, onde a política tinha um carnavalesco castigo e durante esses três dias a folia e a animação eram enormes. O carnaval antigo arranjava às vezes amores, mas mais frequentemente desarranjava as cabeças com as violentas caqueiradas e com o vinho que era d’uso beber-se à farta.

Se o Chiado se destacava como um importante ponto de encontro da sociedade lisboeta, e onde o Carnaval se exibia de uma forma exuberante, a folia manifestava-se também noutros pontos da cidade. São disso exemplo os desfiles na avenida, as batalhas de confetti e os desfiles da Escola Politécnica, que a foto de Alberto Carlos Lima (18---1949) documenta.

Muitas destas manifestações ficaram para sempre registadas na memória coletiva, através da objetiva fotográfica de alguns dos mais importantes fotógrafos da cidade, e estão por isso hoje representadas nas coleções do Arquivo, sendo disso exemplo o Fundo Antigo, Benoliel, Alberto Carlos Lima, Leilão Soares & Mendonça, entre outros. 

Encontre documentos sobre carnaval na sala de leitura, da base de dados do Arquivo, utilizando as palavras-chave de pesquisa: Escola Politécnica de Lisboa. 1837-1911; Estudante; Desfile; Carnaval



Leia mais sobre este assunto:

DIAS, Marina Tavares - Lisboa Desaparecida nº 1

SILVA, Carlos Guardado - Carnaval – História e identidade. Edições Colibri

ILUSTRAÇÃO PORTUGUESA, 1905, n.º 70

ILUSTRAÇÃO PORTUGUESA, 1907, n.º 51 e 52

Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/carnaval [consultado em 08-02-2018] 


AGENDA