Julho 2014

 
 
 
Traslado em pública forma (149KB)
 


Processo de pazes entre D. Afonso IV e o Infante D. Pedro


Descrição:
Traslado em pública forma, elaborado por Vasco Eanes, do processo de pazes entre D. Afonso IV e o Infante D. Pedro

Data: 1356-01-17

Código de referência: PT/AMLSB/CMLSB/ADMG-N/01/12 (contém 11 fólios)

O Arquivo Municipal de Lisboa detém no seu acervo inúmeros documentos medievais de valor inestimável para o estudo da história da monarquia portuguesa.

Este documento refere-se a um traslado dos acordos firmados entre Afonso IV e o infante D. Pedro, datado de 17 de Janeiro de 1356, dando a conhecer uma fonte essencial para a compreensão do período conturbado que marcou a fase final do reinado de Afonso IV.
Trata-se de um traslado em pública forma elaborado pelo tabelião Vasco Eanes, datado de 17 de Janeiro de 1356 e composto por 11 fólios de pergaminho, estando o fólio 11 verso em branco.

Nestes fólios estão trasladados seis diplomas elaborados entre 5 de Agosto de 1355 e 11 de Janeiro de 1356, todos eles referentes às avenças entre Afonso IV e o infante D. Pedro, herdeiro do trono, no âmbito da procura de uma solução pacífica para o conflito armado que os opunha e que tinha sido desencadeado em 1355 com o assassinato de Inês de Castro.

O acordo de pazes que punha fim ao conflito é assinado a 5 de Agosto de 1355, em Canaveses, onde podemos constatar quais foram as condições para a resolução deste conflito, por parte do infante e pelo rei D. Afonso IV.
Ambas as partes escolheram doze vassalos, que deveriam assegurar o estrito cumprimento daquelas condições. Os vassalos do infante foram escolhidos pelo rei, e os do rei, designados pelo infante. Estas condições foram aceites e juradas por ambas as partes, assim como pela rainha. D. Pedro jurou em Canaveses em 5 de Agosto de 1355, D. Afonso IV jurou no mosteiro de São Francisco de Guimarães, em 14 de Agosto de 135534. Por seu lado, a rainha D. Beatriz jurou no mosteiro de São Domingos, do Porto em 20 de Agosto de 1355.

A 28 de Maio de 1357, D. Pedro I sobe ao trono. Apesar das pazes assinadas com seu pai, o novo rei não tinha ainda perdoado aos executores da sentença de morte de D. Inês. Em 1360 D. Pedro I ainda tentou provar um eventual casamento com D. Inês de Castro. O ato tinha, como objetivo, acima de tudo, a legitimação dos filhos de Inês, D. João e D. Dinis. Nesse mesmo ano o rei manda erigir dois túmulos em Alcobaça, onde veio a ser sepultado junto com Inês.

Saiba mais num texto da autoria de Sara Loureiro, publicado no n.º 5 da 1.º série dos Cadernos do Arquivo Municipal.

Encontre outros documentos na base de dados do Arquivo utilizando as palavras-chave de pesquisa:
Pazes, Guerra Civil, assassinato, Inês de Castro, D. Afonso IV, infante D. Pedro, processo, traslado.



Bibliografia:

ANTUNES, José; OLIVEIRA, António Resende de; MONTEIRO, João Gouveia – "Conflitos políticos no reino de Portugal entre a reconquista e a expansão". In Revista de História das Ideias.Coimbra: Instituto de História e Teoria das Ideias da faculdade de Letras da Universidade, 1984. Nº 6, p. 25-160.

AZEVEDO, Carlos Moreira de, dir. – Dicionário de história religiosa de Portugal. Lisboa: Círculo de Leitores, 2000. Vol. I.

COELHO, Maria Helena da Cruz – "O arcebispo D. Gonçalo Pereira: um querer, um agir". In Separata das Atas do Congresso Internacional: IX Centenário da dedicação da Sé de Braga. Coimbra/Braga: Universidade Católica/Faculdade de teologia e Cabido Metropolitano e Primacial, s.d., p. 389-462.

FERNANDES, Fátima Regina – O reinado de Dom Fernando no âmbito das relações régio-nobiliárquicas. Porto: [s.n.], 1996. Tese de doutoramento em História Medieval Portuguesa.

HOMEM, Armando Luís de Carvalho – O Desembargo Régio (1320-1433). Lisboa: Imprensa nacional-Casa da Moeda, 1990, p. 289-291.

JESUS, Frei Rafael de – Monarquia Lusitana. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda. Parte sétima, 1985, p. 406-409, 435-436.

LOPES, Fernão – Crónica de D. João I. Barcelos: Livraria Civilização, 1991. Vol. I, p. 407-409.

MACHADO, J. T. Montalvão – Amores de D. Pedro e D. Inês em terras da Lourinhã, de Gaia
e de Coimbra.
Lisboa: Livraria Portugal, 1966.

MARQUES, A. H. de Oliveira – Nova História de Portugal. Lisboa: Editorial Presença. Vol. IV – Portugal na crise dos séculos XIV e XV, 1987.

MARTINS. Miguel Gomes – "Estêvão Vasques Filipe: o percurso de um guerreiro em finais de Trezentos". InCadernos do Arquivo Municipal. Lisboa: CML/AML, 2001. Nº 5, p. 10-47.

MATTOSO, José, ed. critica - Portugaliae Monumenta Histórica: livro de linhagens do conde D. Pedro. Lisboa: Academia das Ciências, 1980. Série II. Vol. 1, p. 239.

MATTOSO, José, dir. – História de Portugal. Lisboa: Editorial Estampa. Vol. 2, p. 487.

PERES, Damião, dir. – História da igreja em Portugal. Lisboa: Portucalense Editora, 1967. Vol. I, p. 497-498 e 511.

PIZARRO, José Augusto de Sotto Mayor – Os Patronos do Mosteiro de grijó. Evolução e estrutura da família nobre: séculos XI a XIV. Ponte de Lima: Edições Carvalhos de Bastos, 1995.

PIZARRO, José Augusto de Sotto Mayor – Linhagens medievais portuguesas: genealogias e estratégias (1279-1325). Porto: Universidade Moderna/Centro de Estudos de Genealogia, Heráldica e História da Família, 1999. Vol. 1.

SERRÂO, Joaquim Veríssimo – História de Portugal: 1080-1415.Lisboa: Editorial Verbo, s.d. 4ª ed. Vol. I.

 


AGENDA