Notícias

 

AML | Fotográfico recebe exposição de fotografia de Julio Cordero

Data: 2017-04-05



[Rainha do Além] 1910
Esta exposição pretende dar a conhecer a relevância do trabalho do fotógrafo boliviano Julio Cordero, realizado no início do século XX, em La Paz, capital da tão desconhecida como apaixonante Bolívia. Através de uma seleção de pequenas cópias de época, o visitante poderá ter contacto com o que viria a ser, sem dúvida, uma das referências essenciais para se compreender a trajetória da imagem fotográfica no continente latino-americano. O estúdio desse grande fotógrafo emerge tanto pelas suas contribuições estéticas quanto por seu conteúdo documental.

 Nesta exposição – que é tão-somente uma pequena e discreta aproximação ao imenso e complexo mundo de imagens que ainda permanecem escondidas no Archivo Cordero de La Paz, neste momento em fase de estudos –, abre-se uma porta para a história de um país belo e riquíssimo de valores humanos; um país que está constantemente em busca de um lugar possível num mundo competitivo e devastador, ao qual não parece pertencer. 

Por estes retratos, da firmeza e da temperança com que as pessoas posam diante da câmara de Julio Cordero, pode-se figurar um itinerário através de uma etapa da história quotidiana desse povo. Casais de namorados, famílias completas, colégios, casamentos, reuniões familiares, celebrações campestres, documentos policiais, registros militares, mas, antes de tudo, rostos que olham, muitas vezes pela primeira vez, para uma câmara que vai fixá-los para um futuro que os terá para sempre como passado. Com essas poucas cenas fotográficas, é fácil ter uma ideia da sociedade boliviana no início do século XX e observar as contradições nas quais se encontra encravada. 

Julio Cordero nasceu em Pucaraní, em 17 de agosto de 1879. Ainda criança, emigrou com seu pai para La Paz em busca de novas e melhores oportunidades. Em plena juventude, começou a trabalhar como ajudante no estúdio fotográfico dos peruanos irmãos Valdés, e foi ali que aprendeu, de forma autodidata, as técnicas de fotografia da época.

Em 1900, Cordero abriu o seu próprio estúdio fotográfico, o Estúdio Cordero. Localizado no centro de La Paz, produzia todo tipo de fotografias: "retratos, grupos de família, grupos campestres, colégios, locais ferroviários, interiores de fábricas e igrejas”, como mencionavam os panfletos de propaganda na época. O Estúdio Cordero foi um dos mais renomeados e requisitados da época, para todo tipo de eventos, e conseguiu atrair diversos setores sociais, sobretudo das classes alta e média. 

O Archivo Cordero atinge um volume de milhares de peças. É impressionante que além de abarcar todos os géneros e personagens da fotografia, parece que nenhum aspeto da vida social, quotidiana, política e económica, passou despercebido pelo olhar do fotógrafo.”



AGENDA